domingo, 10 de fevereiro de 2013

Resenha: O FANTASMA DE CANTERVILLE



Ficha técnica

Autor: Oscar Wilde

Tradutor: Isabel Paquet de Araripe                                           
Ilustrador: Romero Cavalcanti
Editora: Studio Nobel
Páginas: 54




Sinopse: Em O fantasma de Canterville, um fantasma habilidoso vê o feitiço virar contra o feiticeiro quando, na própria casa que assombrava, passa a ser aterrorizado por seus novos proprietários americanos. O fantasma do livro é Sir Simon de Canterville, que em 1565 assassinou a própria esposa e, para assombrar os corredores de Canterville Chase, adota os mais variados disfarces e se transforma numa verdadeira antologia de tipos macabros. No entanto, nenhuma dessas facetas é capaz de arrepiar os cabelos dos novos moradores da mansão.


Resenha

Está historieta é famosa, justamente por ser um clássico da Literatura Inglesa.

Para mim o autor foi perfeito. De um sarcasmo cômico incrível, ele conta a história do fantasma de Lorde Simon que assassinou a esposa e morreu ali na mansão. Com o passar dos anos, passou a atormentar os moradores da mansão.

Um dia depara-se com a família Otis mudando-se para lá, já está pronto para assustá-los, quando da sua aparição acontece o inverso, ninguém ficou com medo dele. Decepcionado por não ter conseguido seu intento, o fantasma correu para seu aposento pensativo. Depois da primeira manifestação, o espectro de Lorde Simon passa a ser perseguido pela família.

Ri muito em várias ocasiões da narrativa. Uma delas foi esse trecho: “No dia seguinte o fantasma estava muito fraco e cansado. A emoção terrível das quatro últimas semanas estava começando a notar seus efeitos. Estava com os nervos completamente em frangalhos e tinha sobressaltos ao menor ruído....”. Divino, o autor contar sobre os sentimentos de um fantasma atormentado pela sua própria morte.

Outra tentativa frustrada de assustar os novos moradores aconteceu quando o fantasma fora vítima das traquinices dos gêmeos (filhos do casal Otis) e recebeu um balde de água fria. Gargalhei muito quando novamente Wilde demonstra os acontecimentos dele — ficara resfriado e de cama tendo que se recuperar a saúde.

Claro que, nesses momentos, paguei o maior mico, porque todos ao meu redor ficaram olhando para mim espantados e eu não conseguia parar de rir, nem liguei para que os outros pensassem de mim. Estava divertindo-me com o espectro de Lorde Simon.

O título até pode remeter ao gênero terror, mas garanto que apesar do sobrenatural ser o pano de fundo, trata-se de uma comédia infantil muito bem escrita.

Não irei lhes contar o final, quem quiser saber deverá ler e se encantar com esse belíssimo texto poético de Wilde.

Avalio com nota 10.



Por  GLAU TAMBRA