sexta-feira, 12 de julho de 2013

Resenha: O Guardião de Memórias - Kim Edwards



                   A trama é bem elaborada pela autora. A história gira ao redor do nascimento e o crescimento do casal de gêmeos. O menino perfeito e a menina portadora da síndrome de Down. É como o final da gestação de Norah e o parto que a história inicia.

                   No ano de 1964, a síndrome de Down, que geralmente vinha acompanhada por problemas cardíacos, ou pelo menos assim se acreditava, não era aceita pela sociedade que marginalizavas os portadores desta doença. O pai, David Henry, médico ortopedista foi quem fez o parto e ao constatar que a criança era portadora da “doença” entregou-a à enfermeira Caroline e pediu que a deixasse em uma instituição que supostamente acolheria essas crianças.

                   Para sua esposa Norah Henry mentiu alegando que a criança nascera morta em seu ventre. Para tanto, fizeram até um enterro simbólico para a menina. E ele não se opôs, fechando-se cada vez mais em si mesmo. Ele é o guardião dos seus segredos, que passa a viver com sua consciência culpada pela atitude impensada de entregar a filha. Pensou que a menina tivesse morrido pelos tais problemas cardíacos, até descobrir que estava viva.

                   David, não aceita sua origem humilde e faz de tudo para escondê-la. Será válvula de escape é o trabalho e isso ocasiona um abismo entre ele e a esposa que se entrega ao alcoolismo e a traição, devido à inércia completa de David.

                   Caroline, por sua vez, pensa não ser justo que Norah não saiba que a filha vive e a muito custo, pois a criou como filha, seu amor materno era intenso, conta a mãe biologia da existência da menina.

                   Bom, isso é um breve resumo há muito mais. A temática é excelente, pois trata da luta que mães tratavam com o Poder Público para conceder a estas crianças uma aprendizagem digna.

                   Contudo a narrativa é um emaranhado de “flashes” que faz com que percamos a vontade de ler. Não há linearidade e isso faz com que os fatos fiquem confusos.


                       Nota 6,0