sábado, 3 de novembro de 2012

Resenha - Medo do Escuro e outras histórias - Maud Epascolato


Resenha MEDO DO ESCURO e outras histórias

Olhar a capa do livro que, diga-se de passagem, é megamaravilhosa, já me remeteu de imediato a livros de terror. Então eu pensei: Meu Deus, será que conseguirei ler? Devo fazer uma confissão a vocês: eu sou avessa às leituras que aterrorizam. Mas, daí eu meditei - eu tenho que ler de tudo, não posso ficar presa apenas a um gênero. Eu tinha que vencer essa barreira que o MEDO me impunha e, decidida, pus-me a ler. Ainda bem que não desisti. Porque me surpreendi com a sagacidade da autora.

Já adianto para vocês que os contos não são de terror. Mas o suspense e a tensão são características marcantes em todos eles. Todo esse caldeirão está aliado ao sobrenatural, que marca a nossa infância e juventude. Agora me digam, quem de nós não ouviu falar de “causos” que nossos avós contavam?


Eu fiz uma viagem, literalmente. Não vou dizer que o medo não apareceu em nenhuma das histórias. Se dissesse isso, estaria mentindo. Mas foi aquele medo misturado com uma curiosidade que chega a dar cócegas. Sabe àquela hora da leitura que você está lendo e quer saber onde tudo aquilo vai chegar?

É exatamente isso que acontece. Medo do Escuro e Outras Histórias cuida de nos contar as mazelas do ser humano, e trabalha muito bem por sinal. Porque a todo o momento vemos isso no nosso mundo real e, muitas vezes, ainda nos surpreendemos com o egoísmo humano, por exemplo.

O que dizer do conto “O Suicídio de Esther”, onde o personagem vive exatamente o que vivemos no dia a dia? Além, é claro, de estar recheado com o sobrenatural, para justamente nos assustar e nos deixar tensos.

Ah! O que dizer da mente humana, corrompida pelas neuroses que, por fim, chegam a ficar cômicas. Aquela mente insana, guiada pelo medo, que nos faz ouvir e ver coisas que não existem e nos coloca em situações difíceis ou, à sua extremidade, engraçadas.

Eu adorei, e foi o conto que mais me assustou — às vezes, cheguei a dar pulo na cadeira — com o que vinha. Foi “O Armário”. Senti-me a personagem, senti os temores, o medo, eu estava lá.

Para lhes dizer a verdade, não tenho palavras. As palavras me faltam para expressar o que senti quando terminei o livro, a sede de continuar lendo foi imensa.

E cá entre nós, vamos revelar qual a criatura que pelo menos uma vez na vida não sentiu medo do escuro? Aquele que disser não estará mentindo. Garanto, vale a pena ler Medo do Escuro e Outras Histórias. É simplesmente fantástico.

Parabéns à autora Maud Epascolato pela mão divina e pela mente brilhante que conduziu maravilhosamente esses contos, e quero dizer a ela que adorei o gatinho da capa; para mim, ele se move e me dá medo!

Espero que tenham gostado e até a próxima!

Nota: 9
Capa: 10 
Por Glau Tambra